26 de out de 2008

- FOTOGRAFIA - "Ciência e Progresso não falam tão alto quanto meu Coração"






Triunfo - PE


21 de out de 2008

- POEMA - Primeiro Poema...

Leia-Me



Em toda minha vida
Cartas, declarações,
Felicidades e esperanças
Iniciaram um amor


Em seguida, o fogo
A dor, as lágrimas, a revolta
Encarregaram-se de por um fim
A algo que jamais havia iniciado
O medo me consumiu

Não mais dei espaço às cartas ou declarações
O amor, de mim afastou-se
- Isso se um dia, ele em mim esteve


O único sentimento
- Além do medo e da dor
Que a mim não abandonou
- A esperança
Ainda em mim, queima


E é por ELA que
Tentarei retomar algo perdido
Tentarei superar meus medos
- Minhas dores
Tentarei novamente Amar!


Mas, por mais que tente
Não serei como antes
Por mais que o amor
Seja o maior dos sentimentos
Em mim, ele não é!


O medo e a dor agem em mim
Como nenhum outro sentimento
É capaz de agir
Jamais haverá cartas novamente...


Apesar de toda dor
- De todo medo
Que em mim habita
Sinto que o que perdi
- O que me abandonou
Está voltando

Está voltando aos poucos,

Enquanto isso, trato eu
De refletir se vale à pena

Se vale à pena
Deixá-lo em mim outra vez abrigar

Ou se é melhor acabar com a esperança
E com ela
Tudo acabar!


Sinaldo Luna!

15 de out de 2008

E Se FOR Verdade?



Nos últimos anos, casos que envolvem o prolongamento ou a interrupção da vida tornaram-se constantes no nosso cotidiano. Não importa o método, seja a Eutanásia, o Aborto, o Suicídio, as Células–tronco ou os Métodos Contraceptivos, todos têm algo em comum: provocam polêmica e envolvem um tema ainda mais complexo: Religião!
Todos os questionamentos são respondidos pelas religiões com as seguintes palavras: “Deus, que pôs a vida em cada um de nós, é o único ser que tem a autoridade tirá-la”.
Tudo isso é realmente muito complexo, afinal, envolve religião. Mas, irei tentar expor de forma clara, o que penso a respeito de tais temas.
A Medicina tem alcançado grandes conquistas nas últimas décadas e com isso grandes oportunidades, grandes esperanças vão surgindo, doenças que antes eram tidas como incuráveis, hoje não mais são. Os avanços continuam, mais doenças vão deixando de ser incuráveis. Porém, religiões que por simples razão de fé, dogmas, tentam barrar que as descobertas sejam postas em prática, assegurando-se nas palavras que já citei. Eis que em mim surge uma grande indagação: a Medicina é respeitada por todos (ou quase todos), obviamente se ela não existisse, muitos de nós não estaríamos aqui, muitos de nós teríamos perdido inúmeros parentes. Isso é que nos faz enxergar a Medicina como algum bom, algo de Deus. Sem ela, a dor, a tristeza, a morte, já teria tomado conta de nós. São os heróis da Medicina que buscam novos rumos para a vida, para o prolongamento da vida e se realmente Deus existir, pra mim e pra outros milhões ou bilhões de pessoas, a Medicina é verdadeiramente algo de Dele, como muitos dizem: no momento de uma cirurgia, é Deus que segura nas mãos dos médicos para que tudo ocorra como o planejado. Se só Deus pode tirar a vida de alguém e se levarmos em consideração o que foi exposto, pergunto-me: Não é Deus age pra que tudo ocorra nas vidas que Ele criou? Não foi Deus que nos deu a inteligência de descobrirmos o mundo ao nosso redor? Não foi Deus que fez e faz com que a Medicina avance? Eu creio que sim. E quanto à resposta dada pelas religiões, creio que o Deus que nos deu a vida é o mesmo que trabalha no avanço da Medicina e no prolongamento da vida. Em suma: Só Deus pode tirar a vida de alguém. Mas, não foi Deus que deu a capacidade dos médicos exercerem tal profissão?
O que falei anteriormente enquadra-se nos temas de aborto, eutanásia, células – tronco, e métodos contraceptivos. Quanto ao suicídio, que não envolve a Medicina, porém envolve religião, é um tema-tabu para a maioria das pessoas. É algo quase unânime o não prazer das pessoas em falar de morte, seja morte provocada por acidente ou alguma doença, mas, sem dúvida alguma, não há repúdio maior no que diz respeito à morte, senão o suicídio. O Suicídio é com certeza visto pela sociedade como sendo a pior das mortes... Para a religião, tirar a própria vida é coisa do Diabo, é comprar diretamente sua passagem para o Inferno. É também visto como o pior dos pecados, pior até que tirar a vida de outra pessoa. Como certa vez me contou um Padre: “Se você tirar a vida de alguém com uma arma, depois poderá você arrepender-se do que fez. Por outro lado, se você apontar uma arma em direção a sua cabeça, depois de disparada, não haverá tempo de você pedir perdão por tirar a própria vida!”
Apesar de ser hoje ainda ser enorme o tabu diante de um suicida, deve-se levar em consideração que com as mudanças na forma de ver o mundo, a mente humana, as interações entre os humanos, houve um grande passo: hoje, apesar de tudo, os suicidas podem ser sepultados nos cemitérios, diferentemente do que ocorria séculos atrás!

Depois de conhecer a visão Católica acerca do suicídio, busquei o Espiritismo (o que me confirmou a tese dita no início da postagem, quanto apesar de serem religiões com certas divergências, são unânimes em abominar tais casos). Para o Espiritismo, aquele que buscar nessa vida o suicídio como uma solução imediata para seus problemas, decepcionar-se-á numa vida seguinte, tendo como castigo encontrar nessa vida seguinte, situações piores das que tenha ele encontrado na vida a qual tirou!
O Suicídio é com certeza um tema bastante complexo, assim como os outros que aqui citei (alguns com maior destaque, outros com menor), sem dúvida esses temas virão a ser discutidos de forma exclusiva em outras postagens. Porém, agora quero dedicar-me ao que verdadeiramente fez-me pensar nesses temas polêmicos para fazer essa postagem.
Ontem, dia 14, assisti ao filme “E Se Fosse Verdade”, foi ele a peça-chave dessa postagem. Abordando a Eutanásia e uma linda história de amor, o filme me fez pensar bastante sobre algo que jamais havia passado pela minha mente acerca da eutanásia.
No filme, a personagem principal sofre um acidente e entra em coma. Até ai tudo bem, se não fosse a tomada de cena que passa a envolver o Espiritismo: o espírito da moça, uma jovem médica, não sente o acidente passa a morar “normalmente” em seu apartamento, no qual tem contato com o novo morador que por sinal ,de início toma um grande susto e através de algumas experiências malucas chega a conclusão que a moça estava morta, apesar dela não acreditar na história dele. Através de um acontecimento inusitado e a busca da identidade da jovem, ambos descobrem que realmente ela não morreu, está em coma há três meses... Nesses acontecimentos, o espírito da jovem passa a lembrar-se aos poucos de sua vida e juntos tentam encontrar uma solução para que ela retorne do coma, porém, outro problema surge: o médico responsável pelo caso diz pra irmã da médica que são poucas as chances dela retornar e aconselha o desligamento dos aparelhos!
Foi justamente numa dessas cenas que algo me despertou: e se realmente o que aconteceu no filme possa ocorrer? E se enquanto estivermos em coma, nosso espírito possa estar tentando voltar para o corpo e o simples fato de desligarmos os aparelhos de alguém possa pôr um fim a essa luta?
Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o certo desespero do espírito da jovem apelando para sua irmã não assinar os papéis para desligar os aparelhos, pois ela estava ali, ao lado dela!
Não sou Espírita, porém, há certos acontecimentos que me deixam inquieto, assim como a inúmeras outras pessoas.
Realmente tive certo “medo” ao ver tal cena no filme, o que me relembrou outros casos que se assemelham: como os famosos acontecimentos de EQM (Experiência de Quase Morte), Viagens Astral, entre outros temas que intrigam a mente humana e que certamente postarei algo. Ah... Falando em mente, o filme ainda diz: “A mente é uma área perigosa onde jamais se deve andar sozinho”.
Bem, acho que nessa postagem é só isso... Quero voltar a falar sobre esses temas em outras postagens. Se possível, seria legal que algum leitor também comentasse sobre algum dos temas, se já teve alguma experiência das quais citei, se concorda com o que falei, ou se discorda. Gostaria de opiniões, críticas, sugestões!



Ah, e antes de finalizar o texto: Assistam “E Se Fosse Verdade”, é realmente um belíssimo filme!



Abraços e até a próxima postagem.


Sinaldo Luna

13 de out de 2008

"No Brasil é assim: quando um pobre rouba, vai para a cadeia, mas quando um rico rouba ele vira ministro."

A frase já diz tudo... Tem muito o que se falar de bom de um país desse jeito?

E vale lembrar que essa frase foi dita por ninguém mais, ninguém menos que o nosso companheiro, o presidente Lula, numa época que ele não indicava ministros (óbvio).

Mas, “tudo bem”, nessa postagem não quero falar muito de governo ou política partidária. Não quero falar sobre a corrupção que há em nosso país, afinal, corrupção há em todo o mundo, mas a impunidade... A impunidade, ela impera nossa democracia! O que realmente venho falar nessa postagem é sobre o porquê do nosso país não ter o meu amor.

Apesar dos escândalos de corrupção estampados em jornais e revistas. Apesar do dinheiro envolvido nos esquemas também ser nosso, ele nos foi tirado indiretamente. Então visto isso, há algo pior: não nos sentirmos seguros ao andar por uma rua qualquer (creio que isso seja bem pior!).

Não digo que amo um país onde meus próprios irmãos me machucam, tentam roubar o meu dinheiro... Não amo um país assim!

Teria eu coragem de amar um país onde ao andar por ruas, sou cercado e agredido por pessoas com a minha idade aproximadamente, com o único objetivo de roubar objetos pessoais, de roubar dinheiro que foi conseguido com trabalho honesto? Não, não mesmo!

As quatro vezes que tentaram me assaltar, eu resisti. Obviamente que na última vez quando fui agredido, foi pior, bem pior. Arrisquei minha vida, não deixei que os assaltantes levassem meu dinheiro. Porém, se já me sentia inseguro antes disso, pior agora. Estou assustado com tudo e com todos. Acho que estou com trauma de bicicleta ou de qualquer um que vejo pelas ruas...

País assim, não me dá orgulho. Dá-me é medo!

Não há, sob hipótese alguma, possibilidades de um país assim ser amado por mim!

Mas, eu tenho esperança... Tenho esperança que esse medo acabe. Eu tenho um sonho (como diria o saudoso Luther King: “I Have A Dream”): Que um dia eu venha a sentir orgulho desse país tão grande e com tantas belezas (diga-se de passagem, creio que seja única coisa que ainda merece aplausos e admiração), que um dia eu possa andar seguro pelas ruas... (ah, acho q isso é um sonho meio difícil de realizar, mas vou continuar sonhando). É como diz uma das propagandas do governo da estrela cadente: “Sou brasileiro e não desisto nunca”. Não sei se devo usar o “nunca” da propaganda, acho melhor um “fácil” no lugar! Simples: a cada dia que passa, a cada tentativa de assalto que sofro, a cada faminto que vejo pelas ruas... Minhas esperanças, meus sonhos vão sendo esfacelados pelas horríveis cenas e as possibilidades de um dia amar o Brasil desaparecendo vão!

Tudo isso é triste, mas é nossa realidade... É a verdadeira cara do país que abriga o maior aqüífero, a maior floresta, tem o melhor futebol. É a cara do país que tem na teoria tem tudo pra ser bem melhor do que é. Mas, na prática nosso país é isso, é um país que prende uma mulher que rouba um pão pra alimentar um de seus filhos faminto, mas não prende algum dos nossos velhos conhecidos... Aqueles, aqueles que fazem do nosso BRASIL vir a ser o nosso bR@z!uL.

Sinaldo Luna"

12 de out de 2008

Para início de conversa...

Há meses, a vontade de criar um blog me cerca. Porém, a falta de assunto afastava-me dessa realização. Pensava em criar um blog com os textos que às vezes escrevo, porém, grande parte desses, é ignorada por mim mesmo, os escrevo e jogo no lixo... Textos esses que têm um pouco de sentimentalismo, só os escrevo quando estou, digamos que triste... Mas, quando esse sentimento de tristeza passa, quando releio os textos, os ignoro. Então, não optei por colocar essas coisas nesse blog. Mesmo não optando por colocá-los, pensei criar um blog em que eu pudesse ao invés de mostrar a tristeza dos textos, expor um sentimento, digamos que de raiva... É, os sentimentos que “não posso” sair por ai espalhando, serão aqui postados. É com essa idéia, a vontade de demonstrar minha raiva, que criei esse blog!

Demonstrarei as raivas, mas se houver “necessidade”, ou simplesmente passar pela minha cabeça a vontade de colocar alguns dos textos que citei, postarei aqui (nos momentos de tristeza, é claro), correndo o risco de quando cair em “lucidez”, serem excluídos!

Diante mão, peço que caso haja algum leitor para esse blog, que o mesmo não leve muito à sério algumas postagens que virão, pois, as postagens terão às vezes, tons exacerbados de angústia, raiva, ou até mesmo de dor (caso os textos cheguem um dia passar por aqui). Em suma: haverá momentos em que possivelmente pegarei pesado com um determinado assunto que vá de frente a algum leitor que possa surgir, por isso fica meu pedido!

Ah... Vale lembrar também que por vez, caso o sentimento que haja na postagem ferva em mim, com certeza nossa língua portuguesa correrá o risco de ser “assassinada”!

É isso... Espero não ter esquecido algo importante antes de iniciar verdadeiramente as postagens.

Obrigado e até breve!

SinaldoLuna