1 de nov de 2010

O Outro Lado

Era tarde. Lucas voltava da casa da namorada, na sua potente motocicleta, nem preciso dizer que ele chamava a atenção das garotas, com a motocicleta e os músculos, um legítimo Playboy.


Envolvido na adrenalina e na velocidade, ele entra com tudo numa curva à esquerda, os imensos faróis foram as últimas coisas que ele viu.

Abriu os olhos, ele não sabia onde estava, era um grande espaço, branco, limpíssimo. Sentou-se, ele estava sobre uma bela peça de mármore. Só então percebeu que havia um homem, de feições angelicais, olhos verdes, cabelos cacheados, loiros, algumas sardas.

- O que, o que aconteceu? Perguntou Lucas assustado. Ele estava nu.

- Você sofreu um acidente, e agora está aqui.
Lucas olhou seu corpo, estava muito machucado, mas não sentia dor.

- Eu, eu morri? Com os olhos quase cheios d'água.

- Agora você está em paz, eu serei seu guia, como um pai ou mãe, eu te ensinarei tudo nesta sua nova vida, não tenha medo, aqui você só encontrará a paz.

De alguma forma, Lucas estava feliz em ter morrido, sentia uma paz enorme vindo daquele ser.

- Se eu morri, por que eu continuo machucado?
O ser riu e respondeu: - Você ainda não escolheu que forma quer ter aqui nesse mundo, por isso está com a última forma que tinha; você pode ter a forma que quiser aqui, inclusive de animais.

Lucas se empolgou: - Sério? Posso ser um babuíno? Sempre quis ser um babuíno, desde aquele desenho... Como é o nome... Você não deve saber qual é mesmo. O rapaz pareceu não se surpreender.

- Aqui você é livre, ninguém te recriminará ou te julgará por nada, mas você tem que ser sincero em tudo, ou então...

O rapaz deixou a expressão calma, e ficou sério, Lucas teve medo.
– Ou então?

– Ou então eu deixarei de ser seu guia, e você terá de descer.
O loiro levantou a sobrancelha, Lucas sabia o que isso significava.

– Sempre serei sincero, juro.

– Aqui nós já sabemos tudo sobre você, mesmo assim precisamos testá-lo.

– Ok, ok!

– Você já foi desonesto com alguém? Começou o interrogatório.

– Já fui sim, o mais recente foi com minha namorada, eu a traí no carnaval.

O anjo (podemos chamá-lo assim) não esboçou repreensão, e de forma serena continuou:
- Última mentira...

– Disse ao meu pai que precisava de dinheiro para um livro na universidade.

– Experiência homossexual?

Lucas paralisou...
– Até isso vocês sabem?

– Responda. E riu graciosamente.

– É... Uma vez, eu e um amigo, curiosidade, você sabe... Mas eu sou homem, muito homem, deve ter isso ae na ficha, ou sei lá o que você tem meu.


O anjo já começava a próxima pergunta quando uma porta se abre.

Lucas ainda não havia notado a porta, e teve um susto quando ela se abriu, lá apareceu um homem também de branco, gordo, com uma barba mal feita, que foi logo gritando.

- Ah não Conrado! Ah não! Ficar usando minha sala pra pregar peças nesses adolescentes bêbados de novo não!

Conrado, o Anjo, caiu na risada.

Era a terceira vez, essa semana, que descobria um Playboy Viado.

PauloFilipe"